Você está Devendo?

Se você ficar inadimplente com seu banco, seja por qual período for e se ele lhe apresentar uma dívida 3, 4 ou 5 vezes MAIOR que a real, não se assuste!

Essa conta aritmética que “ninguém entende” tem sido amplamente utilizada pelos bancos e é nesse momento que você deve ter tranquilidade para raciocinar. Não tome decisões precipitadas pois a “pressa” ou falta de conhecimentos legais podem leva-lo a fazer más negociações.

As pessoas entram em pânico, e não sabem como lidar com o fato, nem qual atitude tomar. Como já dissemos em matéria anterior: as pessoas às vezes imaginam que terão seus bens penhorados pelo banco para atender o monstruoso débito apresentado e, na realidade, há regras rígidas para a ocorrência de penhoras, com a agravante de saber que, por já estarem com dificuldade financeira ou não possuir recursos para pagar um advogado para se defender dessa situação, se sentem impotentes e sem forças para reagir.

A rigor, ressalta o Diretor Jurídico da NERY CONSULTORIA, oDr.Altamir Nery: “… as pessoas precisam saber que os juros legais majorados nos tribunais são MUITO MENORES que os majorados no mercado financeiro, o que leva um banco a não utilizar suas taxas diante de um juiz, como uma dívida que ultrapassou a linha dos 100%, 200%, 300% ou 400% de aumento, aumentada de forma progressiva e inexplicável e, com isso, lesam o consumidor de forma DIRETA e ilícita.”

Quem está inadimplente com uma instituição financeira, precisa pagar sua dívida, mas sempre deve avaliar os juros cobrados, as taxas de correção, etc.

O devedor sempre terá que procurar identificar o valor principal devido, e ainda, verificar se os juros, tarifas, encargos e multas nela acrescidos, estão dentro dos padrões e limites legais, pois esse é um Direito, e o banco tem o dever de informar, e não pode negar.

O devedor pode pessoalmente negociar sua dívida, mas sempre é viável a participação de um profissional qualificado para tal, pois há casos onde o inadimplente terá que assinar contratos de Confissão de Dívida: nesse momento é importante ter seu advogado “ao lado”.

Ressalta ainda o Dr.Nery: “…o banco tem que exibir detalhadamente ao devedor o valor da dívida principal, os acréscimos, os juros, as correções, etc.”

Lembre-se que existe uma justiça severa.

Faça uso de seus direitos.